O tapete

The Flying Carpet

Era a primeira noite que dormia no apartamento. De móveis apenas um armário, um colchão e um tapete. Quatro da manhã acordou, precisava ir ao banheiro. Passando pela sala viu o tapete flutuando, esperando que a porta da varanda se abrisse para sair daquele apartamento do quinto andar. O físico, assustado, sabia que era impossível aquilo ocorrer. Tapetes não tinham aerodinâmica, velocidade ou massa para voar. Passou uma vassoura por cima e por baixo da peça, porém, nada o fazia voar além de si mesmo. Apertou-o para baixo e sentiu que o objeto aguentaria algumas toneladas. Não era possível. Duas horas depois, por fim, o tapete pousou na sala. Nunca voltou a ocorrer tal fato. O físico arrependeu-se de não ter tirado uma foto, ou ter filmado. O pesar foi maior quando seu filho, dez anos depois, perguntou se ele tinha aproveitado para voar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s